quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Suplemento Literário Minas Gerais - SLMG * Antonio Cabral Filho - RJ

SUPLEMENTO LITERÁRIO
MINAS GERAIS - SLMG
*
1 -
SUPLEMENTO LITERÁRIO MINAS GERAIS - SLMG
www.cultura.mg.gov.br
(MINAS GERAIS (SL) Nº 574 - 01 de Outubro 1977)
*
O LIBERAL
 (cod 09386)
LINK
http://www.letras.ufmg.br/websuplit/exbGer/exbSup.asp?Cod=12057410197710
*
Um dia...
Um belo dia de sol
caminhando por ruas
aristocráticas
de uma cidade
de um país
certamente liberal
encontrei um amigo
o Rei Manuelini II
espojado no mármore
à entrada de um templo
e ao indagar-lhe o prquê
de ali estar
tive a seguinte resposta:
- Sou o Rei Manuelini II !
Ok, respondi e fui-me.
*
2 -

SUPLEMENTO LITERÁRIO MINAS GERAIS - SLMG
www.cultura.mg.gov.br
(MINAS GERAIS (sl) nº 599 25 de março de 1978)
*
ESTAÇÃO FINAL
cod 01706
LINK
http://www.letras.ufmg.br/websuplit/exbGer/exbSup.asp?Cod=13059903197810
*
Foi a vida
que me fez assim
tão duro
quando jovem
eu era como as flores
me perdia nos jardins da vida
entre pessoas jovens como eu
não existiam limites para amar
amávamos ao extremo das loucuras
e quando exigiam de nós
nossas identificações
respondíamos apenas:
- Somos a felicidade!
E, hoje, ante o fantasma da realidade,
vejo quanto é triste o outono da vida.
*
3 - 

SUPLEMENTO LITERÁRIO MINAS GERAIS - SLMG
www.cultura.mg.gov.br
(MINAS GERAIS (sl), 01 de julho de 1978)
*
UM HOMEM DE VINTE E CINCO ANOS
cod 01995
LINK
http://www.letras.ufmg.br/websuplit/exbGer/exbSup.asp?Cod=13061307197811
*
Sou um fragmento
que vaga
ao sabor dos ventos

Não tenho metas
nem venho
de lugar nenhum

Minha origem
está em mim
tal qual meu fim

Quero apenas
ficar em paz
no meu canto

Não peço afeto
mas não se afastem
Sou Apenas um fragmento
*
4 - 
SUPLEMENTO LITERÁRIO MINAS GERAIS - SLMG
www.cultura.mg.gov.br
(MINAS GERAIS (SL) nº 634 25 de novembro de 1978)
*
DIÁRIO
cod 02432
LINK
http://www.letras.ufmg.br/websuplit/exbGer/exbSup.asp?Cod=13063411197811
*
À noite
ao recolher-se
tentou ordenar o dia
dar forma aos atos
explicar as omissões
enfim
dar o toque de classe
na obra-prima
que poderia ter sido o seu dia
No dia seguinte
acordou atrasado
Ainda tentou
recordar-se de alguma coisa
Inútil
Foi trabalhar
À noite ao recolher-se
repetiu o mesmo exercício
e adormeceu pensando o seu dia
*
5 - 
SUPLEMENTO LITERÁRIO MINAS GERAIS - SLMG,
www.culturamg.gov.br
(MINAS GERAIS (SL), Nº 652, 31 DE MARÇO DE 1979)
*
PALAVRA
cod 15544
LINK
http://www.letras.ufmg.br/websuplit/exbGer/exbSup.asp?Cod=13065203197909
*
 Como os últimos momentos são tão iguais, que quando surgem causam sobressaltos, aquele não foi diferente.
     Eu estava com os olhos protegidos contra a poluição contextual; por isso, tive de ativar a visão para acreditar e aguçar a memória para ver o moço, tão sobressaltado quanto eu, sentado ao meu lado no coletivo, que tirava cigarros do maço, acendia-os, fumava até à metade e jogava as cinzas e as baganas no piso do carro, entre nós dois.
     Mexia-se inquieto, cruzava e descruzava braços e pernas, nas pausas entre um cigarro e outro.
     Quando restava o último, acendeu-o, cruzou as pernas e acomodou como quis o braço desocupado sobre o joelho, enquanto chamineava cinzentas baforadas de fumaça, ansioso e exausto.
     De repente, atirou o cigarro no chão, e se levantou irritado, dirigindo-se a mim:
- Quê que há meu chapa?! Por que está me prestando atenção?! 
     Como os últimos momentos são tão iguais que quando surgem causam sobressaltos, fiquei sobressaltado e disse-lhe que finalmente arrancara uma palavra de alguém, pois uma troca de ideias hoje em dia, é coisa de paranóico mesmo. 
     Em seguida, nós dois, sobressaltados um com o outro, saltamos do ônibus e sumimos, correndo em direções contrárias.
*

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

SARAU POESIA COM TORRESMO * Antonio Cabral Filho - RJ

***
SARAU POESIA COM TORRESMO
http://www.abdic.org.br/index.php/552-ultimo-do-ano-sarau-poesia-com-torresmo-no-la-locanda-bar-dia-06-12
***
Evento que se repete a cada Primeiro Sábado do Mês, com apoio do “Jornal Grito Cidadão” e da ABDIC – Associação Brasileira do Indivíduo e da Cidadania, ocorrerá, especialmente nesse mês de Dezembro, no Dia 06, das 19:00 às 23:00 hs, no “La Locanda Bar”, em Belo Horizonte-MG, o Sarau Poético “Poesia com Torresmo”, onde se reunirão Artistas Plásticos, Músicos e Poetas. Gentilmente acolhidos no Espaço Cultural do “La Locanda”, a mais nova Casa de Culinária & Cultura das Minas Gerais, sob a Direção dos Empresários Franco & Vilma:
***

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

AFONSO ROMANO DE SANT'ANNA, POETA * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

AFONSO ROMANO DE SANT'ANNA,
poeta, professor, ensaísta e mineiro.
http://www.lpm.com.br/site/default.asp?TroncoID=805134&SecaoID=948848&SubsecaoID=0&Template=../livros/layout_autor.asp&AutorID=10 
*

terça-feira, 11 de novembro de 2014

ADÃO VENTURA, POETA * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

ADÃO VENTURA, POETA
além de mineiro.
http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/minas_gerais/adao_ventura.html 
*
http://redecultura.ning.com/profiles/blogs/adao-ventura 
***

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

ANDERSON BRAGA HORTA, POESIA MINEIRA * Antonio Cabral Filho - Rj

ANDERSON BRAGA HORTA,
professor, escritor e poeta mineiro.
http://letrastaquarenses.blogspot.com.br/2011/12/para-comeco-de-conversa-anderson-braga.html 
***
ANDERSON BRAGA HORTA
loja da Thesaurus Editora
http://grandesertaomineiro.blogspot.com.br/p/blog-page.html 
***

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

IVO BARROSO E A GAVETA DO IVO, ACESSEM * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ


IVO BARROSO,
mineiro de nascimento, radicado no Rio desde a mais tenra infância, embora não me pareça "Escritor Mineiro", revela nas entrelinhas, a sua essência: É mineiro na alma! Mas eu gostaria mesmo é que conhecessem o seu blog, a GAVETA DO IVO... https://gavetadoivo.wordpress.com/ (Acf)

Dados Biográficos
IVO [do Nascimento] BARROSO nasceu em Ervália-MG e reside no Rio desde 1945. Formado em Direito e em Línguas e Literaturas Neolatinas. Foi assistente do Editor das enciclopédias Delta-Larousse, Mirador e Século XX. Editor-adjunto do Suplemento Literário do JB, da revista Senhor e de Poesia Sempre (da Biblioteca Nacional). Publicou mais de 30 traduções de grandes autores. Seus livros de versos, Nau dos Náufragos (1982) e Visitações de Alcipe (1991), foram ambos editados em Portugal, onde foi editor da revista Seleções do Reader´s Digest. No Brasil publicou A Caça Virtual e outros poemas (2001, finalista do prêmio Jabuti de poesia daquele ano), editado pela Record. Organizou os livros Poesia e Prosa, de Charles Baudelaire (Nova Aguilar, 1995) e À Margem das Traduções, de Agenor Soares de Moura (Arx Editora, 2003). Escreveu O Corvo e suas traduções (Nova Aguilar, 2000 – agora em 3ª edição, 2012, pela LeYa-SP) e Poesia Ensinada aos Jovens (Tessitura-BH, 2010). Foto de Sandra Mara Franca (2014).
***

sábado, 4 de outubro de 2014

GRANDE OTELO VIA MUSEU AFRO * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

GRANDE OTELO,

Considerado um dos maiores atores do século XX, Grande Otelo foi um artista multimídia, tendo trabalhado no teatro, rádio, cinema e na televisão. Versátil e dono de uma consagrada expressão facial e corporal, destacou-se como ator, cantor, compositor, sambista e poeta. Seus personagens sempre tiveram um grande apelo popular, desde os tempos do Teatro de Revista, quando participou da Companhia Negra de Revistas, até quando interpretou Macunaína no cinema em 1969. Grande Otelo foi pioneiro e desbravador, primeiro artista negro a ocupar espaço de destaque no cinema e na televisão brasileira.    
http://www.museuafrobrasil.org.br/pesquisa/hist%C3%B3ria-e-mem%C3%B3ria/hist%C3%B3ria-e-mem%C3%B3ria/2014/07/17/grande-otelo   
***


sexta-feira, 26 de setembro de 2014

ROSÁRIO FUSCO, MEUS AMIGOS! * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

ROSÁRIO FUSCO, MEUS AMIGOS!  Antonio Cabral Filho - Rj

 

1 - Rosário Fusco: quem é...http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_lit/index.cfm?fuseaction=biografias_texto&cd_verbete=8769


2 - Opinião:

Rosário Fusco, “o gigante voraz”

Escritor mineiro admirado por Mário e Oswaldo de Andrade hoje é quase desconhecido.

.
Rosário Fusco
Ronaldo Werneck | Hoje em Dia
.
rosário fusco o que foi físsil rosário fósforo
foi-se de fato lume fora do fusco do rastro do risco
que já foi sim e não porque nunca foi nunca foi-se de fato
rito rosto rateio ritmo rumo ruminação relíquia
.
“Morreu de talento. É a urna de cinzas detergentes do modernismo” — ele declarava sobre Oswald de Andrade, na entrevista que eu e Joaquim Branco fizemos para o Pasquim, em 1976. Parecia falar de si mesmo, de seu talento, que lembrava o de Oswald. Há 35 anos, no dia 17 de agosto de 1977, morria em Cataguases o escritor Rosário Fusco. Nascido em 19 de julho de 1910 em São Geraldo (MG), Fusco veio com um mês para a cidade onde se tornaria, ainda adolescente, um dos fundadores e enfant terrible da revista Verde. Lançada em 1927, a Verde foi um dos principais braços do movimento modernista em Minas Gerais. Após longo périplo “oropa-frança-bahia” (Rio /Paris/Nova Friburgo), Rosário Fusco voltou em 1968 para Cataguases, onde ficou até o final da vida. Em 2010, o seu centenário de nascimento passou praticamente esquecido. “Lá se foi o velho Rosário Fusco” – escrevia o cronista José Carlos Oliveira no Jornal do Brasil de 21 de agosto de 1977, quatro dias após a morte do romancista: “um gigante voraz, andarilho infatigável que viveu (vivenciou, se preferirem) a aventura antropofágica proposta pelos modernistas. Cosmopolita, para onde quer que fosse levava um coração provinciano. Teria que terminar em Cataguases, misteriosa cidade com vocação de radioamador – dentro das casas, nos bares, na praça, na modorra da roça é apenas uma prevenção de forasteiro: na verdade, Cataguases está em febril contato com o mundo, é pioneira em cinema, em literatura, em arquitetura”.
Cataguases deve muito a Rosário Fusco, verdadeiro motor da revista Verde, um vulcão que escrevia, ilustrava, diagramava, mandava (e recebia) cartas pra todo mundo – principalmente para o modernista Mário de Andrade. Com um mês de idade e órfão de pai, Rosário Fusco de Souza Guerra chega a Cataguases com a mãe, lavadeira. Duro início de vida: aprendiz de latoeiro, servente de pedreiro, pintor de tabuletas, prático de farmácia, professor de desenho, bedel no Ginásio.
Aos 15 anos, já colaborava no Mercúrio, jornal dirigido por Guilhermino César, e logo em dois outros jornaizinhos, Boina e Jazz Band. Com José Spindola Santos, edita Itinerário — e juntos fundam a livraria-editora Spindola & Fusco. Aos 17, é um dos criadores da Verde e, aos 18, publica “Poemas Cronológicos”, com Enrique de Resende e Ascânio Lopes (1928). Em 1932, muda-se para o Rio de Janeiro, onde forma-se em Direito em 1937.

Fusco só escrevia à mão com uma velha e rombuda Parker 51

Romancista, funcionário federal, dramaturgo, poeta, jornalista, publicitário, radialista, crítico literário, ensaísta, secretário da Universidade do Distrito Federal e procurador do Estado do Rio de Janeiro. Muitos cargos para um homem só, mesmo um muito enorme e da melhor qualidade como Rosário Fusco. Melhor dizer, simplesmente, profissão: escritor. Mesmo porque ele foi o primeiro escritorbrasileiro a ser reconhecido como tal pelo antigo INPS. Em meados dos anos 1960, ele volta para Cataguases. “Onde anda Rosário Fusco?” – (se) perguntava, em 1996, um poeta da terra. Por acaso, eu mesmo. “Onde andam o vozeirão, a velha e rombuda Parker 51, anotando trechos ou gravando situações que irão compor um próximo romance?” Fusco só escrevia à mão: “assim me sinto mais ligado ao que estou escrevendo. Além de péssimo datilógrafo, a máquina me distancia das coisas, da densidade dos corpos”. Onde andam o imponderável bigode mexicano, a larga risada, o humor, a lágrima, o uísque, o cigarro, a panela com água fazendo de cinzeiro (magnífica invenção!), a lustradíssima bota do menino Rosário – aquela que ficava sobre a mesa do seu escritório na casa do bairro da Granjaria? Onde andam aquela panela, aquela bota? Como a bota de Van Gogh, uma de suas admirações “do rol dos confessáveis (as outras; Machado de Assis, Dostoievski, Beethoven). Mas que coisa é Rosário Fusco, que coisa entre coisas, entre todas as coisas é R.F.”?

a.s.a. – associação dos solitários anônimosObras

De 1928 a 1969 – quando a Editora Mondadori lançou na Itália seu romance L’Agressore, editado em 1943, no Rio, pela José Olympio, Fusco publica inúmeros títulos em vários gêneros: Fruta de Conde, poesia, em 1929; Amiel, ensaio, 1940; O Livro de João, 1944; Carta à Noiva, 1954; O Dia do Juízo, 1961, romances; Vida Literária, crítica, 1940, Introdução à Experiência Estética, ensaio, 1949; Anel de Saturno e O Viúvo, de 1949, teatro; e Auto da Noiva, farsa, 1961. A Ateliê Editorial publicou seu romance póstumo a.s.a.: associação dos solitários anônimos.
Em 1976, sai nova edição de O Agressor, pela a Editora Francisco Alves. O mesmo romance é também republicado cm 2000, pela Bluhum. Em 2003, a Ateliê Editorial lança um romance inédito do escritor, a.s.a. – associação dos solitários anônimos. Existem ainda outros inéditos, comoVachachuvamor, romance; Um Jaburu na Tour Eiffel, livro de viagem; eCreme dc Pérolas, poemas eróticos.

Vida e Morte

Que coisa é Rosário Fusco? Um escritor e basicamente um romancista, com toda a sua danação e glória: “Tenho perdido ônibus, bondes, empregos, amizades. Nunca perdi a vontade de escrever… Não sei, em verdade, porque escrevo, se todos escrevem, se há tantas coisas na vida menos melancólicas e mais eficientes.., Vivo – quem não vive? — sob o signo do imprevisto, que manda chuva e manda guerra, protestos de títulos e cobradores à porta, falta de manteiga e falta de afeição, aumento do preço do cinema ou dores de cabeça, irremovíveis. Vivo num mundo onde poucos penetram e, se penetram, faço tudo para não deixá-los sair… Escrever é um mal, é um bem, é um erro? É tudo isso e não é nada disso: é uma fatalidade, para encurtar palavras”.
Em sua crônica quando da morte do escritor, Carlinhos Oliveira brinda à vida e faz de suas palavras a melhor das elegias para Rosário Fusco: “Curiosamente, não recebo com tristeza a notícia de sua morte. Ele viveu intensamente, não desprezou nada, comeu e bebeu e estudou a vida com furor implacável. Não provou do veneno dos românticos, mergulhou de cabeça na festa, e cada minuto de sua vida foi sem duvida uma vitória contra a insidiosa inimiga”. Sim, Rosário Fusco viveu e morreu de talento…
Fontes:1 - INÉDITOS Revista Literárias nº 2 - julho-agosto, 1976;
2 - http://www.itaucultural.org.br/aplicexternas/enciclopedia_lit/index.cfm?fuseaction=biografias_texto&cd_verbete=8769  ; 
3 - http://blog.atelie.com.br/2012/10/rosario-fusco-o-gigante-voraz/#.U2Pu6fldW5M   
***

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

CONCURSO 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE FUTEBOL * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

INSCRIÇÕES GRÁTIS
*
MEUS AMIGOS, preciso de apoio: na divulgação, na participação e na remessa das inscrições rapidamente, para adiantar a seleção. Nosso concurso  está entrando no "ar" agora" com a força de São Francisco de Assis!


ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO

promove  o concurso
-portaldoprofessor-
*
1ª ANTOLOGIA CEM TROVAS SOBRE FUTEBOL

Art 1º - DO CONCURSO: 

O concurso 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol, é concebido, promovido e organizado pelo escritor Antonio Cabral Filho e tem o futebol apenas como tema central, podendo versar sobre quaisquer assuntos correlatos. Será exigido cumprimento de métrica setessilábica e rima abab, abba e aabb.

Art 2º - DAS INSCRIÇÕES: 

INSCRIÇÕES GRÁTIS, poderão se inscrever apenas autores brasileiros residentes no Brasil maiores de 18 anos, entre 15 de outubro de 2014 e 15 de janeiro de 2015, VIA EMAIL, com apenas uma (1) trova em língua portuguesa. No ato da inscrição, o mesmo remete o texto digitado em times new roman 14, resumo biográfico de cinco linhas, a Antonio Cabral Filho, pelo email antologiabrasiliterario@gmail.com,  dirigido a 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol, Org Antonio Cabral Filho.

Art 3º - DA COMISSÃO JULGADORA:

A Comissão Julgadora é soberana em suas decisões, e conferirá notas de 0,1 a 10 e seu resultado é irreversível. Os autores classificados até a quantia de cem (100) farão parte da 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol, cabendo aos mesmos a responsabilidade quanto a autoria e registro do texto inscrito.

Art 4º - DA 1ª ANTOLOGIA 100 TROVAS SOBRE FUTEBOL

A 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol terá 100 páginas destinas aos autores classificados, portanto uma (1) página por autor, em formato e-book - livro digital - que será entregue via e-mail, antecedidas de dez ( 10 ) páginas a cargo da Comissão Julgadora, o que resulta em um  livro de 110 páginas. O livro 1ª Antologia 100 Trovas Sobre Futebol será publicado no blog ANTOLOGIA BRASIL LITERÁRIO
http://antologiabrasilliterario.blogspot.com.br/ 
ficando a cargo dos respectivos interessados a divulgação em outros espaços e disponibilizado gratuitamente via internet.

Art 5º -  DAS RESPONSABILIDADES:
O promotor do concurso informa que o ato de inscrição significa aceitação das normas acima expostas e a consequente liberação da sua obra para integrar este certame. A divulgação dos resultados será publicada no blog ANTOLOGIA BRASIL LITERARIO,  de propriedade do promotor do evento, até 15 de fevereiro de 2015, seguida da publicação e remessa do livro a todos seus autores, conforme Art 2º.
Parágrafo Único: Todos os inscritos serão publicados um em cada postagem no blog do concurso.

COMISSÃO ORGANIZADORA
Rio de Janeiro, 15 de outubro de 2014
***

LEOPOLDINA FESTEJA AUGUSTO DOS ANJOS * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

Rememorizando Augusto dos Anjos



É sobre isto que a professora Maria José falará no 

Segundo a acadêmica Maria José Ladeira Garcia, a obra de Augusto dos Anjos apresenta características que permitem dividi-la em três fases: "a primeira, influenciada pelo simbolismo e sem a originalidade que marcaria as posteriores; a segunda revela o caráter de sua visão de mundo peculiar; a última fase corresponde à sua poesia mais complexa e madura”. 

dia 24 de outubro, às 19 horas, no Museu Espaço dos Anjos, como parte das homenagens pelo Centenário de Morte de Augusto dos Anjos. 

Veja aqui a programação completa das homenagens...
SAIBA MAIS
x
http://leopoldinense.com.br/noticia/1392/saiu-o-edital-do-23--concurso-nacional-de-poesias-augusto-dos-anjos 
x
http://academialeopoldinensealla.blogspot.com.br/2014/09/rememorizando-augusto-dos-anjos.html
x

POESIA SEMPRE Nº 36, Por Aricy Curvello - Es

POESIA SEMPRE Nº 36
- MINAS GERAIS -
Aricy Curvello - Es, 
em artigo para a revista argentina MALABIA.
*
Como matéria principal trouxe poetas da América Latina, alguns deles pela primeira   vez  publicados em nosso país. Essa feição internacional caracterizou sucessivas edições, voltadas para a poesia de algum país estrangeiro. Seu nº 2, para a de Portugal. Seu nº 3, para a dos Estados Unidos. E assim por diante. Raras vezes “Poesia Sempre” dedicou-se a um tema ou um autor brasileiro. O que é de se lamentar, pois circula internacionalmente, em todo o mundo culto.
Assumindo em 2012 a tarefa de editar a revista, o professor/poeta/crítico Afonso Henriques Neto decidiu construí-la com o olhar voltado para a poesia do Brasil. E pensou de imediato em dar ênfase aos estados brasileiros, com o propósito de realizar um retrato o mais abrangente possível da história da poesia desses lugares. E  resolveu principiar pelo rico manancial de Minas Gerais, logo no primeiro número sob sua direção,
o de nº 36 ( Ano 18, referente a 2012).
É uma bela edição, sob a coordenação editorial de Raquel Fabio, com uma iconografia mineira muito bem selecionada.
Abrindo o volume, o ensaio “Minas Gerais e sua poesia”, da professora (UFMG) e escritora Letícia Malard.
Traz o cânone da maior parte da poesia mineira, sistematicamente ordenadoem três seções, incorporando os contemporâneos :
- Poetas Clássicos : desde o início e o Arcadismo do século 18 até o Parnasianismo [Santa Rita Durão, Basílio da Gama, Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Silva Alvarenga, Bernardo Guimarães, Augusto de Lima, Alphonsus de Guimaraens, Severiano de Resende, Archangelus de Guimaraens];
- Modernismo : século 20, destacando Drummond, Emílio Moura, Pedro Nava,  João Alphonsus, Ascânio Lopes; Rosário Fusco ;

- Após-Modernismo : séculos 20 e 21, com 35 poetas, dez dos quais já falecidos [Henriqueta Lisboa, Abgar Renault, Bueno de Rivera, Alphonsus de Guimaraens Filho, etc.] e 25 contemporâneos,  entre os quais Adélia Prado, Affonso Rommanno de Sant’ Anna, Carlos Ávila, Ricardo  Aleixo, Ronaldo Werneck, Sebastião Nunes, Yeda Prates Bernis, Wilmar Silva e o autor destas mal traçadas.


A revista “Poesia Sempre”, em sua edição nº 36, dedicada inteiramente à poesia de Minas Gerais, pode ser adquirida à Loja do Livro da Biblioteca Nacional do Brasil,
no Rio de Janeiro: www.bn.br/lojadolivro 

telefone  (21) 2220-  1309
e-mail :    lojadolivro@bn.br

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

ADELIA PRADO, MINAS GERAIS EM POESIA * ANTONIO CABRAL FILHO - RJ

ADELIA PRADO
ENTREVISTA
http://www.revista.agulha.nom.br/castel15.html
*
ADELIA PRADO - VÍDEO

  1. Adélia Prado, a simplicidade de um estilo - YouTube

    www.youtube.com/watch?v=BcFhohzPc7Q

    07/12/2010 - Vídeo enviado por SaraivaConteudo
    Há dez anos sem publicar um livro de poemas, Adélia lança "A duração do dia" (Record, 2010) e fala ...
  2. *
  3. ADELIA PRADO
  4. http://www.jornaldepoesia.jor.br/ad.html
  5. *
  6. http://www.antoniomiranda.com.br/Iberoamerica/brasil/adelia_prado.html
  7. ***